Políticas Públicas de Segurança para o público LGBT são discutidas em mais uma Roda de Conversa

Publicado em Categorias: Notícias, Sem categoria

O evento foi realizado pela Prefeitura de Simões Filho e aconteceu no Auditório do Centro Social

Mais uma Roda de Conversa LGBT finalizada com sucesso! Hoje, o papo foi sobre Políticas Públicas de Segurança para o público LGBT. O encontro, que é uma realização da Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e da Cidadania (Sedesc), pela Coordenação de Igualdade Racial, aconteceu no Auditório do Centro Social.

O evento contou a presença das representantes da Defensoria Pública, Eveline Portela e Leila Portugal, do antropólogo Jaime Ramalho, além do público, que pôde participar abertamente de um bate-papo onde a importância das políticas públicas de segurança para os LGBTs foi discutida.
“Estamos aqui discutindo formas de melhorar a situação, apresentando soluções. Mesmo sabendo que alguns avanços têm ocorrido, ainda existe uma cultura de violência e desrespeito às diferenças na sociedade. É fundamental que a gente se una com o objetivo de que todos sejam respeitados de todas as formas. A defensoria pública tem um papel importante nessa rede para construir soluções para proteção do LGBT. Parabéns à Prefeitura pela iniciativa”, pontuou Eveline Portela.
Para o antropólogo Jaime Ramalho, “o encontro é de extrema relevância, pois nos ajuda a repensar temáticas de preconceito contra o LGBT que é traçado também por questões raciais. A iniciativa é fundamental, criando comitê internamente para debater com a presença da defensoria pública. A gente espera que possamos desenvolver políticas públicas efetivas e práticas que venham acolher essas pessoas e suprir as demandas”.
A ideia dessas Rodas de Conversas é exatamente pensar em formas eficazes para o combate à violência e a violação dos direitos LGBTs, com políticas públicas que possam suprir as deficiências da desigualdade.
“Queremos uma sociedade igualitária e por isso estamos à disposição, na medida do possível”, finalizou Leila Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *